Lamas Bier

Água+Malte+Lúpulo+Fermento+Doidos=Lamas Bier Veja mais »

Lamas Brew Tool

O APP do Cervejeiro Caseiro Veja mais »

Fichários Lamas

Suas receitas, bem guardadas Veja mais »

maltes The Swaen

A alma que sua cerveja precisava Veja mais »

Lúpulo Na Veia

Primeiro Kit Single Hop do Brasil, experimente.... Veja mais »

 

Category Archives: lama Hostya

Lamas Hostya – A degustação

Depois de 15 dias de fermentação com temperatura controlada (começamos em 9º Ce terminamos a 15ºC) e mais 21 dias de maturação a 0ºC o projeto de fazer uma Pilsner, a Hostya ainda tem de ser refinado.
Após a maturação resolvemos encher algumas garrafas e fazer primming  com elas (6g de açúcar invertido por litro). O restante da leva deixamos no post-mix. Pois bem…como diria Jack, vamos por partes.
No término da maturação provamos um pouco da Hostya. No aroma sentimos o malte e o nosso grande amigo diacetil, porém no sabor ela estava bem agradável e para quem é lupulomaníaco estava no ponto (35 IBU).
Mas o diacetil estava lá, nos pertubando, e por  horas e horas discutimos para saber onde estava o erro. A primeira coisa que nos veio na cabeça foi a temperatura de inoculação do fermento. Fizemos isso a T=25ºC, e até a temperatura chegar aos 9ºC na nossa geladeira deve ter demorado umas 12 horas no mínimo, ou seja, um bocado de diacetil foi formado( dado o lag time do fermento). E pelo visto mesmo deixando 2 dias a 15ºC não foi o suficiente para eliminá-lo. Isso se só foi essa a causa.
Tudo bem, engarrafamos uma parte e vamos deixar a 15ºC para carbonatar, para ver se melhora o diacetil. Depois de 4 dias, abrimos uma garrafa só pra ver como estava, o diacetil ainda estava lá, porém a cerveja estava tão mas tão cristalina que ficamos empolgados para fazer outra leva e com a esperança que mais uns dias carbonantado o diacétil diminua.
Lama Hostya – Super cristalina e lupulada

Coloração amarelo ouro
Mas tem mais uma coisa que fizemos que serviu de aprendizado para nunca mais repetimos. Como temos vários post-mix resolvemos maturar a Hostya em um. Quando tiramos uma parte para engarrafar, deixamos o restante no post-mix, carbonatando com CO2 por uns dias ( a T=20ºC com 2.0 PSI de pressão). Porém antes de deixá-la maturando, aplicamos uma pressão com CO2 na esperança de tirar o fermento e o trub do fundo. Pobre ilusão…saiu uma parte, e pensavamos q havia saido tudo….depois de 4 dias carbonatando no post-mix, tiramos um pouco pra provar e ela estava turva e o gosto diferente da garrafa. Pq? Pq sobrou fermento e trub no fundo , e parece que muito. Mas se mudou, chegamos a conclusão que talvez nao tenha atenuado tudo.
E ainda por cima tivemos a brilhante idéia de levar o post-mix para o Bar do Italiano para a turma do Brejas provar 🙁
 Para a próxima leva, diminuiremos a T de inoculação do fermento e também o lúpulo para aumentar a drinkability.
Bom…quem tiver alguma sugestão, será super bem-vinda 🙂 retribuiremos com uma garrafinha depois (não dessa de outra que faremos em breve, pq não vamos desistir da Pilsner tão cedo).

Lamas Hostya – Pilsner

Há muito tempo queríamos tentar novamente fazer uma pilsner. Nossa primeira experiência em lagers foi um desastre total: um erro no controle de temperatura fez a cerveja ficar doce e ainda por cima com o primming a cerveja nao parava de espumar. Coisa de principiante. Isso foi a quase 2 anos atrás (nossa 2º leva) quando não tinhamos a experiência que temos hoje, a Lama Lager foi nossa única cerveja que foi duro tomar, mas tomamos, mas foi duro :).
Depois de várias levas de boas ales, nós nos sentimos desafiados em fazer uma boa lager, ou tentar. A receita? Mais simples impossível. Malte 100% pilsner alemão. E muito, mas muito lúpulo Saaz. A idéia era usar o método de decoção, usado na Pilsner Urquell, mas como usamos a rampa de mash out a 78ºC não seria mais possível, deixaremos para outra leva assim como um boa explicação do que se trata esse método, mas que basicamente é o responsável pelo aparecimento de melanoidina no mosto.
Sobre o nome da nossa leva, a história é simples e boa…a idéia é que na nossa próxima Missa, possamos “saborear” nossa Hostya que foi consagrada pelo Sacerdote Lama Amir.  Esse é o espiríto da coisa 😉
Bom, para 20L usamos:
5kg de Pilsner alemão (2 row)
20g de galena
40g de Saaz
Rampas de Temperatura:
T= 45ºC por 15 min (acidificação)
T=62ºc por 30 min (dar uma enfase em açucares fermentaveis)
T=68ºc por 60 min (enfase no corpo)
T=78ºC por 5 min (mash out, inativação enzimática).
Lúpulos:
20g de Galena no início de fervura
10g de Saaz em 45 mim de fervura
10g de Saaz em 50 min de fervura
10g de Saaz em 55 min de fervura
10g de Saaz em 60 min de fervura . Fim de fervura.
IBU esperado : 35,2
Fermento:
2 pacotes de S23.
Temperatura de fermentação : 11ºC.
OG: 1,049
Agora é esperar ….
Lamas Hostya – Agora é esperar nossas amiguinhas Saccharomyces cerevisiae fazerem o trabalho delas 🙂

ATUALIZAÇÃO 23-08-2009: Originalmente colocamos 1 pacote de s-23. Porém por sugestão do cervejeiro Botto, colocamos mais 1 pacote, depois de 24 horas fermentando na geladeira. Ele sugere pq a atenuação desse fermento é baixa. O site do fabricante , Fermentis, também sugere a mesma coisa.

ATUALIZAÇÃO 29-09-2009. FG =1.015. Com isso teremos 4,4% de álcool na Hostya . Informações sobre a degustação: http://www.lamasbier.com.br/2009/09/lamas-hostya-degustacao.html